Blog | ContadorX

7 documentos essenciais para corretores de imóveis realizarem Declaração de IRPF

O momento da declaração de IRPF é sempre acompanhado da separação de uma série de documentos que devem fornecer informações exatas para que não se tenha problemas posteriores de divergência de dados. Pensando nisso, fizemos uma lista de documentos e separamos algumas dicas para ajudar você que trabalha como corretor de imóveis.

Para dar adeus aos problemas com esquecimento de documentos na hora de se preparar para enfrentar o leão , é importante ter em mãos todos os documentos para enviar as informações corretas e, após da transmissão da sua declaração, dar boas-vindas à tranquilidade. Para mais informações sobre o que não esquecer de incluir na sua declaração, temos uma série de dicas.

Lista de documentos para IRPF

1) Rendas – Informes de rendimentos recebidos das fontes pagadoras (no caso de assalariados)

– Cópias de recibos/notas fiscais fornecidos a clientes (no caso de autônomos)

– Livro-caixa ou resumo mensal do livro caixa com memória de cálculo do carnê-leão, mais o DARFs de carnê-leão; (no caso de autônomos)

– Informe de rendimentos do INSS (no caso de quem recebe benefícios previdenciários) ou de entidades de previdência privada

– Informes de rendimentos financeiros fornecidos por bancos.

– Documentos sobre rescisões trabalhistas (se for o caso), com valores individualizados recebidos em 2015 (salários, férias, 13º salário, FGTS etc.)

– informes de rendimentos de aluguéis de bens móveis e imóveis recebidos de jurídicas;

– Informações e documentos de outras rendas percebidas no exercício, tais como rendimento de pensão alimentícia, doações, heranças recebidas no ano, dentre outras;

2) Bens e direitos – documentos que comprovem a compra de bens e direitos como: bens móveis (com valor superior a R$ 5.000,00), veículos automotores, embarcações e aeronaves.

– documentos que comprovem a venda de bens e direitos como: bens móveis (com valor superior a R$ 5.000,00), veículos automotores, embarcações e aeronaves.

– Que comprovem direitos financeiros (títulos, ações, etc) e saldos de contas correntes e poupança, cujo o valor exceda à R$ 140,00.

 

 

3) Dívidas e ônus – informações e documentos de dívida e ônus contraídos e/ou pagos no período como: veículos automotores, embarcações, aeronaves e imóveis. E também empréstimos de instituições financeiras ou não.
4) Renda variável – controle de compra e venda de ações, inclusive com a apuração mensal de imposto;

– DARFs de renda variável.

5) Informações gerais – dados da conta bancária, necessária para restituição ou débitos das cotas de imposto apurado, caso se aplique;

– nome, CPF (obrigatório para maiores de 14 anos), grau de parentesco dos dependentes e data de nascimento;

– endereço atualizado;

– cópia da última Declaração de Imposto de Renda Pessoa Física (completa) entregue;

– atividade profissional exercida no ano de 2015.

6) Pagamentos e doações efetuados – recibos de pagamentos ou informe de rendimento de plano ou seguro saúde (com CNPJ da empresa emissora e a indicação do paciente);
– despesas médicas e odontológicas em geral (com CNPJ da empresa emissora ou CPF do profissional, com indicação do paciente);
– Comprovantes de despesas com educação (com CNPJ da empresa emissora com a indicação do aluno);
– comprovante de pagamento de Previdência Social e previdência privada (com CNPJ da empresa emissora);
– recibos de doações efetuadas;
– GPS (ano todo) e cópia da carteira profissional de empregado doméstico;
– comprovantes oficiais de pagamento a candidato político ou partido politico
 7) Dependentes Quando o titular da declaração incluir dependentes (esposa, filhos, etc.), tratando-se de declaração conjunta, também é necessário a apresentação da relação acima referente a eles.

 

Como sua Declaração de IRPF pode colocar você na Malha Fina

A Receita Federal tem acesso às informações de todas as operações imobiliárias realizadas Com a obrigação acessória eletrônica DIMOB, sigla para Declaração de Informações sobre Atividades Imobiliárias, sejam elas: locação, sublocação, comercialização de imóveis novos, usados, em construção ou mesmo na planta, e ainda os valores recebidos e pagos a título de administração de imóveis.

Ela faz o cruzamento dessas informações através de sua poderosa estrutura de processamento de dados com outras informações que recebe como DOI (Declaração sobre Operações Imobiliárias) e a e-Financeira (Antiga DIMOF – Declaração de Informações sobre Movimentação Financeira) para identificar possíveis inconsistências em sua declaração causada por erro, seja ele proposital ou não.

Multas de até 150% sobre o imposto devido são grandes motivadores para dar muita atenção ao fazer a sua declaração.

Prepare-se, junte todos os seus documentos, confira a nossa lista novamente para ter certeza de não ter esquecido nada, e pronto, você está pronto. Caso você vá preencher e entregar a declaração de IRPF, já pode começar, caso vá contratar um consultor, você vai ajuda-lo imensamente e tornar o trabalho dele muito mais fácil, entregando os documentos de forma correta.

Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *